Resenha: Cure meu coração - Melissa Walker

Título: Cure meu coração
Autor: Melissa Walker
Editora: Farol Literário 

Sinopse:



A expectativa de Clem para as férias que passaria velejando em alto-mar com os pais e a irmã caçula era de um verão no exílio. Em crise consigo mesma, ela embarca no veleiro Tudo é possível sem saber, que na verdade, o que a espera é uma viagem de descobertas sobre a amizade, o amor e o perdão. Seja bem-vindo a bordo! Alternando capítulos no passado e presente, Unbreak my Heart é uma maravilhosa história de amor que vai agradar aos fãs de Sarah Dessen.





            Antes de iniciar essa resenha gostaria de pedir desculpas pela ausência, estava em uma maré de “sorte” e acabei ficando sem notebook, celular e outras ferramentas que são essências para atualização do blog. Agora, vamos à resenha!
        Previamente gostaria de deixar bem claro que amei a obra. Através dessa leitura adquiri maturidade suficiente para compreender que todos são propícios a erros e que consequentemente essa ação tem reações inimagináveis. Para aqueles que já degustaram dessa leitura, gostaria de enfatizar que ninguém tem o poder de julgar o que é ou não considerado ético e moral, o papel dos cidadãos é tentar seguir as regras impostas pela sociedade para a boa convivência, e embora não concorde com a postura da protagonista acredito fielmente que todos pagam pelas suas escolhas, se não for da mesma forma de alguma outra maneira, e caso persistam nessa atitude errada estarão condenados a viver em ciclo interrupto até aprenderem com suas falhas. Se não fosse desse jeito, a vida seria totalmente injusta.
        Não se sinta a margem desse compêndio por argumentar e colocar minha postura e ideias no segundo parágrafo. Tentarei esclarecer os acontecimentos sem liberar spoiler.
        Somos apresentados nessa obra a Clementina, ou como é carinhosamente chamada pelos mais íntimos; Clem. A personagem principal é uma adolescente de 16 anos que esta deprimida e para piorar ainda mais seu estado emocional está saindo de férias com sua família em um barco. Seus pensamentos constantemente a movem para o passado, para situações que envolvem sua melhor amiga Amanda e o namorado dessa, Ethan. O tempo presente é o vilão que a assola de tal forma por meio de lembranças que Clem se sente a pior pessoa do mundo, se afligindo incessantemente e a sentenciando a infelicidade. Entretanto, ao contrário do que se possa imaginar, a autora usa um motivo até dedutível para prever o rompimento dessa amizade, mas o contexto é totalmente inusitado.
        Clem incute em si a infelicidade, coloca como pena pelo seu lapso uma corrente que tem a finalidade de impedir a mesma de aproveitar o momento e gozar da plenitude, do regozijo e bem estar. Nos primeiros capítulos tive a sensação de tédio, pois fui surpreendida com lamentações infindáveis. Todavia, conforme a leitura avança somos cativados e conseguimos compreender o porquê de tanta dor. Retornando ao parágrafo anterior, não a estou inocentando, mas adolescentes são imaturos, e se os adultos fazem escolhas equivocas frequentemente como culpa-los?!  
        Portanto, durante a narrativa o perdão ocorre, e o melhor de tudo: o perdão a si mesmo! No entanto, para que isso acontecesse foi necessário o apoio incondicional da família, a conscientização de que seus erros deixam sequelas e por isso é importante se redimir. Perdoar e seguir em frente faz parte do tratamento, e ter um ruivo maravilhosamente apaixonado com o nome James ajuda, e muito!
        A reflexão contida no livro é simples e clara: não se condene para sempre! Aprenda com seus deslizes, vire a página e reformule uma nova trajetória. Você merece ser feliz independente das escolhas ruins.
        Nem sempre opiniões são iguais, caso já tenha lido a obra e discorde ou não, deixe seu comentário. Participe dessa discussão! Aguardo seu comentário.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Não li o livro, mas adorei esse debate de perdão por escolhas e atitudes. Acho que todos devemos nos perdoar primeiro para aceitar o perdão do outro. E ter a família, amizades por perto sempre é bem melhor recebido. Uma história que trata disso sempre será encantadora. Não conhecia o livro, nem vi a obra antes mas fiquei bem interessada. Ótima resenha e dica anotada!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oie, tudo bom?
    Amei o nome dela, acho LINDO pois amo uma.personagem de jogos com o mesmo nome. Eu me interessei pela capa dd cara, e acho que deve ser uma leitura que te faz refletir MUITO. Quero!

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas achei a premissa muito interessante. Acho legal o fato de abordar a necessidade do perdão e de superar os erros. Sem dúvida, a mensagem ao final do livro e as reflexões que ele provoca são muito bonitas.
    Adorei sua resenha e fiquei muito interessada em realizar a leitura. Dica anotada!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?
    Não conhecia a obra e achei bem legal a mensagem que ela deixou em você. Em todas as fases da vida somos suscetíveis a erros, na adolescência em geral cometemos mais erro por não pensar direito, mas a forma como lidamos e encaramos nossos erros com certeza muda tudo, por isso é tão importante encontrar nos pais uma base que ajude a encarar os erros, se arrepender e superar.
    Acredito que a leitura seja de fato muito boa, principalmente porque adoro os livros da Sarah que elevam o patamar dos YA.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Verônica!
    Lembro que quando esse livro foi lançado fiquei doida pra ler, mas como sempre os preços super altos acabaram fazendo com que ele ficasse na minha "geladeira". Acabou que o tempo passou e eu simplesmente esqueci dele. Agora, relendo sua resenha, bateu aquela vontade de ler novamente.
    Gosto demais dessas histórias que trazem um drama bacana, com lições no final. E esse parece ser do tipo que vai me prender. Vou olhar pra ver se tem disponível no Skoob para troca.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia a obra, mas achri bem interessante e apesar de não concordar com alguns aspectos sobre o julgamento de ética e moral gostei bastante da resenha

    ResponderExcluir

Google+ Followers